Conferência do Prof. Dr. Muniz Sodré no PosCóm/UFBA, 26/nov

Estamos todos ansiosos por esta conferência, que marcará o início do semestre 2012.2 e que contará com este renomado pesquisador. Vejam a mensagem de convite e divulgação:

O Campo Científico da Comunicação

Conferência do Prof. Dr. Muniz Sodré

 

O Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Faculdade de Comunicação da UFBA tem o prazer de convidar a comunidade acadêmica para a conferência de abertura do semestre 2012.2 intitulada “O campo científico da comunicação”, proferida pelo Professor Dr. Muniz Sodré no ano em que ele completa 70 anos. Como atividade de abertura, o PósCom homenageia o ilustre professor por meio da fala de dois de seus docentes, o Prof. Dr. André Lemos e o Prof. Dr. Wilson Gomes.

 

  • Local – Auditório da Faculdade de Comunicação da UFBA
  • Dia – 26 de novembro de 2012
  • Hora – 19h
  • Transmissão ao vivo – link a ser divulgado no site do PósCom (http://www.poscom.ufba.br/)


Poliglota, Muniz Sodré é um dos mais importantes e respeitados intelectuais brasileiros, tendo se dedicado a pensar como poucos o campo da comunicação e da cultura dos media no Brasil. Baiano de São Gonçalo dos Campos, Sodré se formou em direito em 1964 pela Universidade Federal da Bahia, fez mestrado em Sociologia da Informação e Comunicação na Université de Paris IV (Sorbonne) em 1967 e doutorado em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1978). É Livre-Docente em Comunicação pela UFRJ e Professor Emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, foi Presidente da Fundação Biblioteca Nacional de 2005 a 2011.

 

Intelectual versátil, possui mais de 30 livros nas áreas de Comunicação e Cultura, centenas de ensaios e artigos publicados em revistas acadêmicas e jornais, bem como livros de ficção. Proferiu conferências e ministrou cursos em universidades da Europa, Estados Unidos e da América Latina.  Como professor foi responsável pela formação de toda uma geração de excelentes pesquisadores no campo da comunicação. Alguns de seus livros são referência na área, como Monopólio da Fala e Comunicação do Grotesco. Seus últimos livros publicados são “Reinventando a educação – diversidade, descolonização e redes”, de 2012, Editora Vozes, e “A Narração do Fato – Notas para uma teoria do acontecimento”, de 2009, pela mesma editora. Seus últimos artigos são “Comunicação: um campo em apuros teóricos”, de 2012 publicado na revista Matrizes (USP), “O Real Espaço do Livro”, de 2012, no livro “Paradigmas Brasileiros em Ciências da Comunicação”, da INTERCOM, 2012, “A cor como patrimônio ou defeito”, de 2012, no livro “Território Livre da Democracia – Os novos debates do Teatro casa Grande”, da Editora Jardim Objeto, e “Informação e boato na rede”, no livro de 2011 “Jornalismo Contemporâneo: figurações, impasses e perspectivas”, publicado pela Editora da Universidade Federal da Bahia.

Colóquio Internacional Teorias dos Meios de Comunicação no Brasil e no Canadá – 22-26/out

Acontece nos dias 22 a 26 de outubro de 2012 na FACOM/UFBA, o Colóquio Internacional Teorias dos Meios de Comunicação no Brasil e no Canadá: história e atualidade.

O evento é composto por apresentações de trabalhos e as seguintes mesas-redondas:

  • MESA 1: Epistemologia, campo da comunicação
  • MESA 2: Teorias da comunicação, e pistemologia e metodologias
  • MESA 3: Meios de comunicação
  • MESA 4: Teorias da comunicação, social

Confira a programação completa (PDF) e veja mais informações em http://teoriasetecnologiasdacomunicacao.org/.

As inscrições são gratuitas e deve ser feitas no local no primeiro dia do evento.

II Seminário Cultura e Subalternidades – 15 a 19/out

Mais um texto de divulgação de evento, dessa vez ligado ao outro programa de pós-graduação da FACOM/UFBA, o PosCultura.

—-

Como parte das atividades do Grupo de Pesquisa em Cultura e Subalternidades, acontece, dos dias 15 a 19 de outubro, das 17h00 às 18h30, no auditório do PAF V da UFBA, em Ondina, o II Seminário Cultura e Subalternidades.

O evento, coordenado pelos Professores Marinyze Prates, Maurício Matos e Denise Carrascosa, tem como objetivo promover a reflexão interdisciplinar acerca dos significados e dos valores postos em circulação na produção cultural brasileira, privilegiando-os como lugares de observação dos diferentes processos de construção das relações de poder na contemporaneidade.

Em funcionamento desde 2010, o Grupo de Pesquisa em Cultura e Subalternidades é filiado ao Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Mílton Santos (IHAC), ao Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (CULT) e ao Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (Pós-Cultura).

O evento contará com apresentações de trabalhos e duas conferências, de abertura e encerramento, a serem proferidas respectivamente pela Profa. Dra. Eneida Leal Cunha (PUC-RJ/UFBA) e pelo Dr. Phil. Vinícius Mariano de Carvalho (Universidade de Aahus-Dinamarca).
Serão conferidos certificados aos participantes e as inscrições, gratuitas, serão realizadas nos dias e horários do evento. Clique no link abaixo para conhecer o site do grupo e ver a programação do evento.

www.gpsubalternidades.ufba.br

SIMSOCIAL – Simpósio de Pesquisa em Tecnologias Digitais e Sociabilidade – 10 e 11/out

Segue o texto de divulgação do evento organizado por um dos meus grupos de pesquisa. Dentro da linha de pesquisa Cibercultura, o evento é marcado por grandes nomes de pesquisadores da área. Além de integrar a equipe de organização, participarei do evento apresentando um artigo.

—–

Nos das 10 e 11 de outubro de 2012, a UFBA recebe a segunda edição do SIMSOCIAL – Simpósio de Pesquisa em Tecnologias Digitais e Sociabilidade: Práticas Interacionais em Rede. O evento tem cunho acadêmico e se destina a promover debates e circulação da pesquisa produzida sobre as tecnologias digitais e sociabilidade no Brasil e no mundo. Idealizado pelo GITS – Grupo de Pesquisa em Interações, Tecnologias Digitais e Sociedade, que compõe o Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da UFBA.

A programação do evento conta com as conferências “Conversação em Rede” de Raquel Recuero (UCPel); “Corpo, subjetividade e tecnologias digitais: usos de redes sociais na educação” do Prof. Dr. Edvaldo Couto (UFBA); “Ser célebre: o anseio por reconhecimento e as estratégias de visibilidade no ambiente virtual” do Prof. Dr. João Freire (ECO/UFRJ), “A Comunicação das Coisas. Internet das Coisas e Teoria Ator-Rede” do Prof. Dr. André Lemos (UFBA) e com a Mesa Redonda Metodologia de Pesquisa na Internet com a presença da Profa. Dra. Adriana Amaral (Unisinos), Prof. Dr. Marcos Palácios (UFBA), Profa. Dra. Tânia Maria Hetkoswki (UFBA) e mediação do Prof. Dr. José Carlos Ribeiro. Também acontecem a apresentação de trabalhos e lançamento de livros.

O SIMSOCIAL – Simpósio de Pesquisa em Tecnologias Digitais e Sociabilidade tem como público-alvo pesquisadores, professores e estudantes universitários, além de profissionais de instituições relacionadas ao campo da Cibercultura.

Histórico
A primeira edição do SIMSOCIAL – Simpósio de Pesquisa em Tecnologias Digitais e Sociabilidade, realizada em 2011 reuniu um importante painel sobre a pesquisa em tecnologias digitais e sociabilidade realizada no Brasil. Foram submetidos cerca de 80 trabalhos, originados de 15 estados brasileiros e Distrito Federal: AL, AM, BA, DF, GO, MA, MG, PA, PI, PB, PR, RJ, RS, SC, SP, TO. Isso representou, de modo geral, uma importante articulação realizada no nosso estado, congregando pesquisadores e estudiosos de diversos lugares do Brasil. (http://gitsufba.net/simposio/).

Serviço:
SimSocial 2012 – Simpósio em Tecnologias Digitais e Sociabilidade
Data: 10 e 11 de outubro
Local: UFBA – Ondina
Mais informações e programação completa: http://gitsufba.net/simsocial/

Seminário Internacional Performance e Experiência Estética – 8/out

Os próximos meses serão marcados por vários eventos acadêmicos da área da comunicação e/ou cibercultura e divulgarei aqui, vários posts com os releases desses eventos.

—-
Data: 08 de outubro de 2012
Horário: 09:00 às 18:00
Promoção: POSCOM-UFBA

O Seminário Internacional Performance e Experiência Estética acontece no auditório da Faculdade de Comunicação e é promovido pelo POSCOM-UFBA como consequência dos debates travados no GT Comunicação e Experiência Estética, da Compós, e da articulação com os programas pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense e da Universidade Federal de Minas Gerais.

Programação:

09:00 – 11:00: Mesa I – Benjamim Picado (UFF) e Jorge Cardoso Filho (UFRB/UFBA)
1. Dois regimes da paixão na imagem: a intensificação do acontecimento e os ritmos visuais de uma ação. Benjamin Picado (Universidade Federal Fluminense)

Pretende-se examinar aspectos da experiência estética das formas visuais na cultura contemporânea, tendo em vista o modo como nestas se manifesta um necessário vínculo entre os imperativos narrativos de sua significação e a necessária performatividade de sua fruição estética. Examinamos dois casos, especialmente abordados em nossa pesquisa continuada aos modelos de uma discursividade visual contemporânea: de um lado, a intensificação passional do instante no fotojornalismo, tomada como instância possível da produção deste efeito da adesão espectatorial à imagem; por outro lado, a modulação rítmica da sucessão das ações nas narrativas gráficas, exemplar de uma qualidade da apreensão estética, passível de ser comprovada na eficácia semiótica da gag, sobretudo em tirinhas diárias. Nos dois casos, examina-se como a análise do efeito próprio a estas manifestações na compreensão não pode dispensar a consideração sobre os aspectos de comprometimento sensorial e emocional do espectador, nas suas relações com a imagem.

2. Experiências estéticas com o Rock: performances e gravações. Jorge Cardoso (Universidade Federal do Recôncavo da Bahia/ Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas)

Problematiza-se alguns pressupostos sobre uma possível estética do Rock fundamentada ora na performance ora na gravação, a partir da análise das práticas de escuta com três álbuns: The Dark Side of the Moon, Pink Floyd (1973), Nevermind, Nirvana (1991) e In Rainbows, Radiohead (2007). Conclui-se, então, que a escolha pelo fundamento da performance ou gravação está amparado num deslocamento anterior e mais importante do debate: o entendimento dos elementos chamados em causa na experiência estética com Rock, em diferentes contextos históricos.

14:00-16:00: Mesa II – Carlos Mendonça (UFMG) e Isabela Paes (UFMG/Institut Mines Télécom)
3. O corpo em performace e a cena expandida: dispositivos de medialidade e comunicação performativa. Carlos Camargos Mendonça (Universidade Federal de Minas Gerais)

O desenvolvimento de novas formas teatrais no século XX e XXI ofereceu para o sujeito do teatro (diretores, atores e espectadores) uma oportunidade distinta para experimentarem o cênico. Tal desenvolvimento esteve fundamentado no rompimento, dentre outros, dos limites entre um sujeito observador (o espectador) e um objeto observado (a cena) para permitir que o par se amalgamasse em um sentir comum na realização cênica, sofisticando a relação sensível e os modos de afetação que se estabelecem na comunicação performativa entre o espectador e o teatro expandido.

4. Produção da experiência estética e construção do performer. Isabela Paes (atriz e pesquisadora pós-doutoral)

Para Bernard Stiegler, a experiência estética do espectador pode participar da sua individuação – em oposição à tendência de padronização das subjetividades da sociedade de consumo hiper-industrial. Mas como chegar a esse efeito? A experiência de uma observação participante no Odin Treatet mostrou como neste grupo os atores aprendem a evitar a representação para buscar a presença e a ação. Não se trata somente da criação de performances, mas também da “construção” do ator, em constante transformação, através de exaustivas sessões de treinamento ao longo dos anos. A individuação coletiva no momento da performance demanda a individuação do ator e de sua técnica.

16:30 – Palestra: As possibilidades das performances para a comunicação da pesquisa. Jean-Luc Moriceau (Professor no Institut Mines Telecom/TEM Research/Organization studies)

A performance ethnography propõe uma alternativa crítica para fazer e comunicar a pesquisa em organização e comunicação – ao buscar produzir no público uma experiência afetiva, corporal e situada da questão. Três exemplos serão apresentados a fim de ilustrar as possibilidades de performances para a comunicação da pesquisa, numa reflexão a partir do performance studies e da teoria estética de Jacques Rancière e Gilles Deleuze.